IO Cliping

  • segunda, 02 fevereiro 2015 06:14

    Investigador Luís Cunha publica "China na Grande Guerra - À Conquista da Nova Identidade Internacional" e lança capítulo em publicação internacional

     

    No passado dia 16 de fevereiro, a novo livro de investigador Luís Cunha, intitulado "China na Grande Guerra - À Conquista da Nova Identidade Internacional", foi motivo para um artigo no jornal Diário de Notícias (artigo para consulta em anexo). Já no passado dia 29 de Janeiro o investigador foi entrevistado pelo jornal Hoje Macau revelando que "a China iria transformar-se num mero joguete de nipónicos, caso aceitasse as suas regras". 

    A entrevista completa está acessível em http://hojemacau.com.mo/?p=81736

    O investigador lançou também no início do ano um novo capítulo "China's Techno-Nationalism in the Global Era" na publicação internacional "Asian Business and Management Practices: Trends and Global Considerations", disponível em http://www.igi-global.com/chapter/chinas-techno-nationalism-in-the-global-era/116578 

    chinagrandeguerra-197x300  9781466664418

     

    Ler mais ...
  • sexta, 30 janeiro 2015 05:33

    Investigador Carlos Piteira em entrevista ao jornal Hoje Macau

    cp

     

    O estado actual da comunidade macaense foi o tema da entrevista ao investigador Carlos Piteira por Leonor Sá Machado do jornal Hoje Macau, no passado dia 26 de Janeiro. Abaixo um pequeno excerto da entrevista:

     

    O ano de 2014 ficou marcado como o ano de celebração dos 15 anos da RAEM. Fazendo uma retrospectiva, como vê e caracteriza o estado actual da comunidade macaense no território?

     De uma forma simplificada direi que ao longo destes últimos 15 anos do período pós-transição, a singularidade de Macau enquanto espaço da RAEM (Macau/China) saiu reforçada no que toca à sua afirmação identitária, por sua vez, já no que se refere à identidade do grupo de macaenses, provavelmente terá sido mitigada em termos da sua especificidade, o que não quer dizer que a comunidade esteja enfraquecida. Perderam-se apenas algumas referências que lhes dava mais notoriedade como grupo étnico, nomeadamente o facto de ser o grupo híbrido interlocutor entre uma administração portuguesa e o poder chinês sempre presente no território.

     

    Há quem diga que a comunidade macaense nunca será uma parte significativamente sonante em Macau. Concorda com esta ideia?

    Pelo menos a realidade não tem sido essa. O segmento da chamada “elite” macaense continua a ter um papel preponderante na sociedade civil, assim como na própria estrutura da governação directa e indirecta. A questão poder-se-á colocar na fase pós geracional. A ver vamos.

     

    A entrevista completa está acessível em http://hojemacau.com.mo/?p=81562 

    Ler mais ...
  • sexta, 30 maio 2014 11:17

    Investigador do IO Carlos Piteira inicia uma crónica no Jornal Macaense "Ponto Final"

    O Investigador do IO, Carlos Piteira, estreou na passada segunda-feira, dia 26 de maio, uma crónica de opinião no jornal macaense Ponto Final.

    Ler mais ...
  • sexta, 07 março 2014 10:37

    Investigador do IO José Manuel Duarte de Jesus participou no IX Forum Internacional de Sinologia

    O Investigador do IO Embaixador José Duarte de Jesus participou nos passados dias 20, 21 e 22 de fevereiro no IX Forum Internacional de Sinologia, que decorreu no Instituto Politécnico de Leiria.

    Ler mais ...

Daxiyangguo - Revista Portuguesa de Estudos Asiáticos

Revista de Imprensa Asiática Principais Notícias

  • sexta, 20 julho 2018 Israel

    Israel’s Parliament on Thursday approved a controversial piece of legislation that defines the country as the nation-state of the Jewish people but, critics warn, sidelines minorities.

  • sexta, 20 julho 2018 Coreia do Sul

     

    A Seoul court on Friday sentenced former President Park Geun-hye to eight years in prison for illegally taking off-book funds from the state spy agency and interfering in elections during her term in office.

     

     

  • sexta, 20 julho 2018 Japão

    Japan has amassed enough plutonium to make 6,000 atomic bombs as part of a program to fuel its nuclear plants, but concern is growing that the stockpile is vulnerable to terrorists and natural disasters.

     

Ver todas